Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Recomeço


Quem me conhece diz que sou organizada, decidida, resolvida... E ate como diria uma grande amiga: metódica.
Então a essa altura do campeonato já esta tudo concluído, as malas já estão prontas, os assuntos pendentes resolvidos, o dia marcado...
Só não contava com um fato que mudaria todas as direções, todo o sentido...
Que me tiraria o controle.
Onde e como levar toda a saudade que já estou sentido?
Ate ontem a decisão era feliz e confiante e agora... ao ficar mais próximo... Acho que bateu uma síndrome de duvida e medo.
E pra onde vou?
Estou indo recomeçar! Partindo pra uma nova vida onde as oportunidades são únicas e sonhada há anos.
Eu pedi cada detalhe desse sonho... Todos os dias... todos! Mas agora...
O coração ta pequeno... Tão pequenininho...
O fato é: como voltar e começar tudo de novo?
Não sou como me vêem ou como espero que me vejam... nem decidida, nem tão resolvida... 
Tenho medos e duvidas o tempo inteiro. Insegura! Isso sim... Insegura.
Tenho medo de não sentir a mesma sensação quando as coisas voltarem a ser como antes.
Tenho medo de não conseguir... Ou de não ficar a fim de tentar.
E se... Valer a pena arriscar na direção contraria? Nunca vou saber...
Se bem que não existe essa opção, não me foi oferecida, então que seja assim
Vou ter que encarar o que estiver por vir.
Acho que é agora que devo agradecer toda a delicadeza e alegria que aqui me foram proporcionadas, agradecer momentos de intensidade e todo carinho que me foi dado.
E o que foi triste? Não supera o que foi feliz, então não importa.
Hora de virar a pagina. (kkkk Digo isso como se fosse possível apagar ou esquecer alguma coisa ¬¬)
Então... Hora de recomeçar! De ter coragem de seguir em frente e de ter mais conquistas.
Tentar colecionar algumas vitórias pra servir de exemplo pra minha filha.
Hora de... Colocar a razão à frente novamente e deixar as coisas acontecerem como tinha sido planejado.
Hora de manter o foco.
Então... Como detesto despedidas... Deixo apenas um: ate qualquer dia!

terça-feira, 28 de junho de 2011

Escolhas


Sempre ouço falar sobre escolhas e isso sempre me intriga.
Temos “Liberdade pra decidir, mas somos prisioneiros das conseqüências.”
Talvez por isso tenha receio ao faze las, mesmo quando há uma certeza, no fundo eu temo.
Temo por não ser o que eu imaginava que fosse, por não ter tempo pra mudar de idéia,
 Por desperdiçar tempo...
Ahhh! São tantos motivos... Tantas opções que me perco ao decidir
Amar um sonho impossível ou sofrer a dor de nunca amar?
Permanecer sob as regras que lhe impõe ou arriscar pelo que acredita ser bom?
Esquecer o que se foi pra não se martirizar por não ter mais, ou lembrar-se de cada instante pra manter seu coração feliz?
O presente te da alternativa lhe mostrado o caminho.

Mas quem define o próximo passo é você e sozinho.
Defender o direito do livre arbítrio ou se omitir com medo de tentar?
A gente vive fazendo isso, optando, escolhendo, decidindo...
Jeans ou vestido? Salto alto ou chinelo? Pretinho básico ou rosa choque?
Sorrir pra esconder que ta triste e se poupar de ter que dar as respostas ou revelar de vez o que ta mostrando o olhar?
Sentir com medo de sentir ou aproveitar tudo que um sentimento pode te oferecer?
Como diz a musica: “Pra cada escolha uma renuncia” (#fato!)
Não da pra saber como vai ser, nem o que vai causar, não da pra antecipar a alegria ou a tristeza
Tudo ao seu momento, todas as coisas estão onde deveriam estar, por mais que não pareça claro em algum momento vai perceber que era pra ser assim, que tinha que passar por esse caminho e que tinha que escolher não o que era certo ou errado, mas o que era melhor pra você.
Os pensamentos mudam, as pessoas mudam, o tempo muda, mas a sua decisão te define
E pro resto da vida te acompanha... E alem disso acho que não seria tão IMPORTANTE se não tivesse que optar.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Insano

Relembrando tudo que já vi, ouvi, li e vivi, creio que ainda não há muito pra se falar...
Não há por que talvez não seja pra ser dito.
Alguns Momentos... Vem e num piscar de olhos se vão... Algumas Pessoas ficam e outras simplesmente passam, há sonhos que só se sonha e há os que de fato se realizam.
Sendo assim suponho que a vida é bem mais interessante do que se pensa.
Basta ter coragem de olhar alem das possibilidades, não ter medo de arriscar, de parecer insano ou bobo.


Andei tentando controlar meu lado meio... “bipolar”; que hora me faz tão feliz e realizada...
E depois tão triste e frustrada... e em um  momento seguinte não me faz sentir nada.
Ainda acredito que não seja caso de loucura... (pelo menos ainda não me porto como tal.)
Mas confesso que há uma insanidade (sadia) me invadindo aos poucos, daquelas que trazem sentimentos adormecidos a tona e as vibrações vão se tornando cada vez mais essenciais...
Uma parte de mim diz que sim, que é mágico! Outra diz que não.
Perguntas que nunca tem fim, perguntas que nunca esclarecem nada.
Devia ser trágico, mas não me parece ser. Não agora.
Perdendo a noção do espaço, do limite, do impossível... Pendendo completamente o sentido
A eternidade não é uma meta, não é o objetivo, a intensidade sim.
É... Parece que há sempre um bom motivo pra justificar o sentimento e delírio que o acompanha.
Como identificar se deve seguir em frente ou virar na próxima esquina?
Se ta certo... Se ta errado... Se é bom ou se é ruim... Se é pra ser ou não...
Às vezes... Por poucas vezes tudo isso não importa tanto...
Às vezes só o que importa é deixar fluir... Acontecer... sentir...
E esperar pra ver no que vai dar...
E você só se da conta disso quando percebe que a mesma musica que você já ouviu 50 mil vezes ficou mais bonita naquele dia.
E que todos os gostos que já sentiu na vida não te proporcionaram tamanha sensação de êxtase.
O sorriso segue de um olhar que brilha e enfeitiça...
O perfume te tira a lucidez...
E principalmente... Você nota que nenhum outro momento foi tão desejado a não ter fim.
Daí... Você lembra que não é você que controla.
 Que é um jogo onde não se joga só e que não depende de você nem do que você quer... (#fato!) ¬¬

domingo, 19 de junho de 2011

Incertezas

Tarde de domingo...  O fim de semana indo embora...
Em meio a chocolates, refrigerante, Tédio e um milhão de pensamentos...
Nasce mais um post.
Um discreto desabafo sobre sentimentos confusos, mal interpretados, regras e exceções.



Pensando sobre isso, conclui que as regras deveriam ser mais claras, tipo:
A gente NÃO devia gostar de quem não gosta da gente. (E Ponto!)
Mas o problema esta bem ai... Exatamente ai... Parece que são esses os mais atraentes.
O tempo seja na falta dele ou na distancia acaba meio que tendo grande parte nisso, ou seja, quanto menos pode ter mais se quer.
Desculpas esfarrapadas, conversas inacabadas e ligações sem retorno, parece só aumentar o desejo.
Aiiinnnh! Por que fazemos isso? Ficamos inventando e alimentado contos de fadas na nossa cabeça, causando emoções desconhecidas a quem nem se importa.
A vida continua la fora e aqui... Parou... Simplesmente parou.
Não faz sentido!
Por que querer desvendar o mistério que mora no olhar do outro?... Se... Simplesmente não há.
É só mais um olhar... É só mais um sorriso... Com um toque de gentileza. Nada mais.
Mesmo quando você tem certeza de que ele vai liga... Ele não liga.
Ele sequer lembra... Onde ta a beleza do sonho e do desejo?
Talvez tenha mesmo razão quando dizem: “_Ta na hora de acordar!”
Esquecer essa bobagem de momento... Eliminar de vez o tal do:
“Aproveite a oportunidade, pode ser única”.
O que me destrói é não ter certeza, é viver no talvez... É essa coisa chamada duvida.
“E se fosse bom? E se fosse...”
É quando os sinais parecem óbvios e eu não consigo ver. (ou talvez não queira ver)
É tudo tão igual, mais do mesmo que não alteram nada.
 E tudo que eu queria era um momento de exceção.
Não podia ser tão ruim assim. Será? *_*

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Sonhos

Meio frustrada hoje...
Meio cansada... Meio triste... Meio sem vida... meio...
Resolvi então escrever... Se há maneira melhor de completar, desconheço.
Portanto...


Queria poder expor a céu aberto tudo que me sufoca, que me limita, que me insatisfaz.
Queria poder olhar nos olhos e sentir que não é fato, o fato de que pessoas serão sempre pessoas... Imperfeitas.
Queria poder sonhar sem tempo certo pra acordar e sentir a sensação que:
Sim! Talvez haja um final feliz!
Não podia, somente por um dia, cada um se dar ao luxo de viver uma fantasia?
É encantador o modo como soa suavemente em minha mente a vontade de me desfazer da realidade e da razão.
Aproveitar cada momento intenso de emoção, sem culpa.
Perder-me na fidelidade de acreditar que é verdade.
Perder-me na ilusão de achar que não é ilusão.
Se talvez pudesse controlar o tempo e o pensamento... Talvez então não tivesse o mesmo sentido.
Então fico aqui remoendo uma solução pra curar esse vazio... Pra entender, por que dói se é vazio?
Vasculhando cada minuto, cada gesto na tentativa de descobrir onde foi parar a delicadeza da sinceridade, a gentileza da empatia, a simplicidade do carinho...
Acho que precisaria mais que uma madrugada pra descobrir...
Enquanto isso... Vou seguindo em frente, claro com um pouco mais de cuidado.
Mantendo minha regra básica de sobrevivência: Equilibro entre Razão e Emoção.
Observando quando realmente vou poder tirar os pés do chão por alguns instantes.